sábado, 27 de maio de 2017

Cajazeirense que matou bebê disse que "estava com o demônio no corpo". Veja a entrevista do acusado.

Um caso que chocou Lavras da Mangabeira nesta sexta-feira(26) e chamou a atenção de toda região. Uma recém nascida, de apenas noive meses foi brutalmente assassinada naquela cidade.

O fato aconteceu por volta das 19h30min. em entrevista ao site Iguatu.net, a tia da vítima falou como aconteceu este crime, “ ele saiu com ela praticamente morta nos braços, e me entregou. Quando vi a minha sobrinha percebi que estava praticamente morta, a levei para o hospital da cidade, ela tinha marca de mordidas e manchas pelo corpo”, disse a senhora Ana Rita.

Em contato com os militares na Delegacia Regional de Iguatu, alguns afirmaram que a criança tinha realmente muitas marcas pelo corpo e que havia a suspeita de ter sofrido um traumatismo craniano, além de mordidas. Mas segundo eles, apenas os laudos poderão determinar o que realmente aconteceu.

O acusado, Yarlei Mendonça de Sousa, que é natural de Cajazeiras, Paraíba, após ser apresentado na Delegacia Regional em entrevista negou tudo. Em um primeiro momento após ser interrogado pelo policiais, “ existe uma suspeita nossa dele ter feito isto por ciúmes, a menina não era sua filha, pertencia ao companheiro anterior da minha irmã, então achamos que ele tinha muita raiva do pai e transferiu isto para a recém nascida”, destacou a tia da vítima.

A família morava em Cajazeiras, Paraíba e tinham chegado há poucos dias em Lavras da Mangabeira.

Após este primeiro momento, por volta de 01h30min.madrugada deste sábado(27) o Yarlei confessou ter assassinado a criança, segundo informações ele disse ao delegado plantonista que teve um momento de fúria e fez esta ação criminosa, “ estava como o demônio, foi um momento de loucura não sei o que fazer”, teria afirmado durante depoimento.

“Ele negou várias vezes que não teria feito isto, mas após muitas tentativas ele confessou, segundo o mesmo teve uma ameaça do ex-companheiro da atual mulher e por isso realizou este crime bárbaro, ele diz que teve um surto, mas foi uma possível vingança, ele será recambiado para um local seguro, pois a revolta é grande em Lavras da Mangabeira, ele é muito frio, disse que mordeu a criança e passou detalhes terríveis”, afirmou para a imprensa o delegado Ariel.

Yarlei está a disposição da justiça e até o momento não foi informado o local onde permanecerá preso.

Assista a entrevista com o acusado na DRI:



quarta-feira, 24 de maio de 2017

Trabalho sobre educação de surdos em Cajazeiras transforma-se em livro

O livro “Matemática no silêncio” foi escrito por aluna do IFPB.

O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) defendido pela ex-aluna do Curso superior de Licenciatura em Matemática do IFPB Campus Cajazeiras, Andréia Maraiza de Souza Vitalino, em maio de 2016, transformou-se em livro sobre a educação de surdos e acaba de ser publicado pela editora NEA - Novas Edições Acadêmicas. O convite para publicação se deu este mês de maio, depois que Andréia apresentou um artigo, o qual teve como base as pesquisas para o TCC, que submeteu no III CONEDU (Congresso Nacional de Educação), em novembro de 2016.

“A editora entrou em contato comigo via e-mail perguntando se eu tinha interesse na publicação e me perguntou se a pesquisa tinha no mínimo 43 páginas porque assim poderia vir a se tornar um livro. Então enviei o meu TCC na íntegra para uma avaliação técnica e este foi aprovado para a publicação”, contou Andreia. O Trabalho intitulado “Matemática no silêncio: uma análise sobre o saber matemático de alunos surdos na cidade de Cajazeiras – PB” teve a orientação do professor Charridy Max Fontes Pinto e a professora Maria José Alves da Silva como coorientadora. De acordo com a autora o trabalho também contou com a colaboração dos professores Francisco Jucivânio Felix de Sousa e Geraldo Herbert de Lacerda, sendo este último convidado para fazer parte da banca.



O livro já está disponível pela internet no site More Books. A autora conta que teve na publicação um sonho realizado e que espera poder colaborar com a discussão sobre inclusão através de sua pesquisa. “Meu sentimento em relação à obra é de muita felicidade, o sonho de todo pesquisador é ter o seu trabalho publicado, as muitas horas de dedicação que reservei para leituras sobre o tema, coleta de dados e para a digitação final do trabalho valeram muito a pena. Creio que minha obra será bastante útil, pois é um tema pouco discutido, eu tive muita dificuldade para encontrar obras que abordassem a temática como um todo, meus orientadores me repassaram tudo que tinham, me ajudaram o máximo, porém cada um em seu ramo, que bom que a junção de tudo resultou em um trabalho que está sendo reconhecido”.

De acordo com Andréia, o interesse pelo tema "educação inclusiva", mais precisamente pela pessoa com deficiência auditiva, surgiu nas aulas de Metodologia da Pesquisa em Educação Matemática na Educação Inclusiva. Foi onde ela começou a analisar se realmente os discursos políticos sobre inclusão no ambiente escolar cajazeirense, atendia aos interesses dos educandos surdos, em especial na área da disciplina de matemática.

“Dentre as barreiras no ensino e aprendizagem para os surdos em situação inclusiva, no nosso caso relativas ao ensino da Matemática, destacamos o fato de que a comunicação continua sendo o grande impasse para um ensino de boa qualidade. Permeando todas as estratégias metodológicas disponíveis ao professor em uma aula, temos a fala como o principal meio de comunicação. Nesse sentido, o livro traz um estudo de caso que se destina a analisar o saber matemático alunos surdos do 9º ano do ensino fundamental de uma escola da rede pública e municipal da cidade de Cajazeiras”, afirma Andréia.





*Lidiane Maria – jornalista do IFPB/Campus Cajazeiras.

sexta-feira, 5 de maio de 2017

PB registra 438 homicídios de janeiro a abril deste ano; média é de mais de 3 por dia

De acordo com números apresentados pela Secretaria da Segurança e da Defesa Social (Sesds) ao governador Ricardo Coutinho, durante reunião de monitoramento ocorrida na tarde desta quinta-feira (4), no Palácio da Redenção, em João Pessoa, de janeiro a abril deste ano, foram contabilizadas 438 ocorrências de homicídios dolosos ou qualquer outro crime doloso que resulte em morte, o que resulta em uma média de 3,65 assassinatos por dia e de 109,5 por mês.

O relatório do Núcleo de Análise Criminal e Estatística da Secretaria de Estado da Segurança e Defesa Social ainda mostrou que, apesar dos números expressivos, houve uma redução de 7,6% nos homicídios em comparação ao primeiro quadrimestre de 2016, quando foram registrados 474 casos. Os assassinatos de mulheres também diminuíram no período, sendo contabilizados 27 registros nestes quatro primeiros meses, enquanto que no ano passado foram 37 em igual período, representando uma redução de 27%.

Ainda segundo os números da Sesds, das 21 Áreas Integradas de Segurança Pública distribuídas no estado, 11 apresentaram redução de homicídios, a exemplo daquelas que abrangem as Zonas Sul e Norte de João Pessoa, Esperança, Santa Rita, Bayeux, Cabedelo, Queimadas, Solânea, Monteiro, Patos e Cajazeiras, entre outras.


Além do governador Ricardo Coutinho, também participaram da reunião de monitoramento o secretário de Segurança Cláudio Lima, a vice-governadora Lígia Feliciano, o comandante geral da Polícia Militar, coronel Euller Chaves, o delegado geral da Polícia Civil, João Alves, e demais representantes da área da segurança.

quarta-feira, 3 de maio de 2017

WhatsApp apresenta instabilidade para alguns usuários

Relatos nas redes sociais afirmam que aplicativo está fora do ar em conexões 3G, 4G e Wi-Fi.

WhatsApp fica fora do ar para usuários do mundo todo, segundo relatos de redes sociais (Foto: Sam Azgor / Flickr)


O WhatsApp apresenta instabilidade para alguns usuários nesta quarta-feira (3). Segundo relatos nas redes sociais, o aplicativo está fora do ar, o que impossibilita o envio e recebimento de mensagens.


As reclamações afirmam que o app não está funcionando tanto em conexões 3G e 4G quanto em redes Wi-Fi.


Nos testes feitos pelo G1, o aplicativo também não funcionava às 18h.


O site Down Detector, que agrega relatos de problemas de conexão com sites e aplicativos, mostra que reclamações com o WhatsApp nesta quarta começaram por volta das 17h.


Um mapa feito pela página mostra que os relatos se concentram na Europa ocidental e no Brasil. Na seção de comentários do site, porém, usuários de todo o mundo afirmam que o aplicativo está fora do ar em seus respectivos países.



Mapa do site Down Detector mostra relatos de falhas no WhatsApp (Foto: Reprodução/Down Detector)


Procurada pelo G1, a assessoria de imprensa do WhatsApp afirmou que a empresa ainda não se posicionou sobre o caso.

Postagens mais recentes Postagens mais antigas Página inicial