sexta-feira, 14 de março de 2014

Professora estreia coluna no CzAgora


A professora do curso de administração FASP -Faculdade São Francisco, Emmanuela Suzy Medeiros estréia hoje a sua coluna no CzAgora, com temas na área de administração.

A equipe do CzAgora está feliz com esta nova parceria e agradece desde já a colaboração da professora Emmanuela Suzy Medeiros, que irá compartilhar seus conhecimentos com os nosso leitores e que com certeza também contribuirá para o engrandecimento do nosso site.
VEJA LOGO A ABAIXO O ARTIGO:





MOTIVAÇÃO: UMA QUESTÃO INTRÍNSECA E EXTRÍNSECA.

Ms. Emmanuela Suzy Medeiros

suzy.pb@bol.com.br



Ao referir-se sobre o tema motivação é pertinente conceituá-lo, é um termo oriundo do latim, que significa impulso, ação para, é aquilo que faz com que as pessoas vão em busca de algo que almejam, faz com que deem o melhor de si.

O assunto é extremamente debatido por profissionais, dentre eles os psicólogos e administradores, que buscam entender de que forma pode-se motivar um colaborador para que ele realize o seu trabalho da melhor forma possível? De onde provém esta motivação? Será que as pessoas podem motivar umas às outras. As pessoas se motivam apenas por recompensas financeiras, elogios ou bonificação? O que motiva os colaboradores a atingirem suas metas?

Como é sabido, a motivação é o que move os indivíduos para estudar, fazer exercícios físicos, trabalhar etc. Não há como abordar a motivação sem referenciar a liderança, pois estão intimamente ligados no âmbito organizacional, pois um bom líder deve estar motivado, para a partir do seu exemplo, despertar a motivação nos colaboradores.

Na área da Psicologia autores do tipo Maslow e McClelland referem-se sobre teorias motivacionais. Maslow relata que o homem se motiva quando suas necessidades são supridas, como a auto realização, autoestima, necessidades sociais, segurança e necessidades fisiológicas. Já McClelland, indicou três necessidades que são essenciais para a motivação: poder, afiliação e realização.

Todavia, existem dois tipos de motivação a intrínseca ou inconsciente, e a extrínseca ou consciente, em que cada pessoa possui a capacidade de motivar-se e ou desmotivar-se, também chamada de automotivação, enquanto que, a extrínseca é aquela originada a partir do ambiente vivencial, ou seja, o que acontece na vida e ou cotidiano influencia e ou desperta a sua motivação.

Entretanto, não se pode afirmar que há uma causa determinante de um comportamento motivado. Em outras palavras, não há apenas um tipo de atividade que seja estimulante, logo, o que para alguém uma atividade é motivante, para outra pode não ser. É preciso despertar a necessidade, a partir da promoção de valores, para que os indivíduos vejam a importância (significamente pessoal) em determinada atividade.

Porém, em alguns casos ocorre da seguinte forma: a pessoa a julga algo como motivante, simplesmente por que considera importante para ela, é um valor pessoal, não havendo tantas justificativas, para descrever tal energia, por exemplo pergunte a um jovem, por que ele gosta de jogar futebol ou fazer rali, ou até mesmo escalar uma montanha? Provavelmente receberá como resposta: “Por que sim!”

Ao remeter aos fatores extrínsecos e ou ambientais, que são aqueles que despertam alguém a ser impulsionado por uma meta, através de algo claro, objetivo, por exemplo: recompensas financeiras, elogios, brindes, bonificações, um bom clima organizacional etc., neste caso percebe-se o quanto o fator ambiental desperta-os a realizar alguma tarefa. Ao perguntar a um atleta profissional o que mais lhe motiva a prosseguir exercendo sua profissão, a resposta será um conjunto de fatores, conforme elencados no enunciado anterior.

Partindo desse pressuposto, é importante cada individuo refleta sobre a motivação, fazendo uma autoanálise, para entender o que lhe motiva, a exercer um cargo desenvolvendo suas funções de forma satisfatória, pois ninguém motiva ninguém, as pessoas são auto motivadas e ou despertadas para atingir determinados objetivos que são propostos.

Restando aos lideres organizacionais, saber e ou conhecer os colaboradores para que possam despertá-los a partir do que eles consideram como importante, na sua vida profissional.



(*) Autora

Ms. Emmanuela Suzy Medeiros
Professora do curso de Administração da FASP – Faculdade São Francisco da Paraíba
Professora Pós-Graduação Psicopedagogia FIP – Faculdades Integradas de Patos




Doutoranda em Educação - UTIC
Mestre em Educação - UNINORTE
Graduada em Administração, Pedagogia, Especialista em Recursos Humanos
Graduada em Administração - Universidade Estadual da Paraíba - UEPB
Pedagogia – Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA
Especialista em Recursos Humanos - Universidade Estadual da Paraíba – UEPB
Especialista em Marketing - Universidade Veiga Almeida - UVA
Especialista em Psicopedagogia – Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC


Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário