quinta-feira, 4 de abril de 2013

Banco do Brasil na Paraíba suspende atendimento em cinco cidades



Interrupção aconteceu por conta de ataques de bandidos com explosivos.
População tem que buscar atendimento bancário em cidades vizinhas.

O Banco do Brasil (BB) na Paraíba suspendeu o atendimento em cinco cidades do estado após suas agências terem sido atacadas por bandidos. De acordo com a Gerência de Administração do BB, as atividades estão suspensas até que as unidades sejam recuperadas, já que todas elas foram alvo de explosões.

As cidades afetadas com a falta de serviços bancários prestados pelo Banco do Brasil são Arara, no Brejo do estado, e Lagoa Seca, também no Brejo, onde as agências estão funcionando parcialmente. Outras três agências já não estão funcionando nas cidades de Fagundes, no Agreste paraibano, Serraria, no Brejo, e Paulista, localizada no Sertão.

Com o objetivo de reduzir ataques a caixas eletrônicos, o Banco do Brasil anunciou no dia 22 de março que reduziu o volume de dinheiro nos equipamentos à noite em até 70%. Segundo a superintendência, a medida não prejudicou os clientes.

Enquanto a reestruturação não acontece, quem precisa utilizar os serviços bancários tem que se deslocar para cidades vizinhas e os comerciantes têm que esperar o retorno dos clientes, que, segundo eles, estão desaparecendo.

O autônomo Luiz José da Silva, 29 anos, morador do município de São Sebastião de Lagoa de Roça, no Brejo paraibano, já estava acostumado a realizar suas transações bancárias no Banco do Brasil do município vizinho de Lagoa Seca, onde é cliente, mas há cerca de dois meses encontra dificuldades. “Depois que a agência foi explodida, a gente está encontrando muitas dificuldades. Se é uma transação que está diretamente ligada a dinheiro, não conseguimos fazer aqui, temos que nos deslocar para Campina Grande ou Esperança”, disse.

De acordo com informações do Sindicato dos Bancários do Estado, somente neste ano foram registradas 36 ocorrências a bancos, sendo 14 explosões, seis assaltos, sete tentativas de arrombamento e explosões.

Ainda segundo o Sindicato, as demais agências que foram alvos de ataques de bandidos estão com o funcionamento normal.

Segundo o gerente de Administração do BB, Marconi Campelo, a instituição está trabalhando de forma urgente para não deixar a população prejudicada. “As obras estão sendo feitas em processo emergencial, por isso, sem licitação, justamente para que as obras de recuperação das agências sejam realizadas de forma rápida, entre 30 a 60 dias, dependendo de cada caso”, explicou.






Do G1 PB com Jornal da Paraíba
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário