domingo, 27 de janeiro de 2013

Piloto é ouvido e peritos vistoriam avião que fez pouso forçado na PB

Aeronave está sendo periciada na Paraíba após pouso forçado (Foto: Taiguara Rangel/G1)


Após o acidente envolvendo um bimotor que transportava o governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB), uma comissão do Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa) tenta identificar a causa do pouso forçado. Ainda na sexta-feira (25) o piloto da aeronave, Nilton Pinheiro, foi ouvido pelos peritos. A comissão tem o prazo de até um ano para concluir o laudo.

O G1 procurou o piloto Nilton, para dar sua versão sobre o acidente, mas ele informou que não tinha autorização para falar sobre o caso. O piloto disse ainda que só poderá comentar sobre o ocorrido após a conclusão do laudo.
Aeronave está sendo periciada na Paraíba após pouso forçado (Foto: Taiguara Rangel/G1)

O acidente aconteceu, na sexta-feira (25) no distrito de São José da Mata, em Campina Grande. Através de nota, a Secretaria de Comunicação disse que informações preliminares apontam a existência de uma falha no trem de pouso, o que teria obrigado o piloto a fazer um pouso forçado em um aeroclube da cidade. Ainda de acordo com a Comunicação, quatro pessoas estavam na aeronave. Além de Ricardo Coutinho estavam o secretário-executivo do Programa de Aceleração do Crescimento, Ricardo Barbosa, o ajudante de ordens, capitão Anderson Pessoa e o piloto da aeronave. Ninguém ficou ferido no acidente.


O tenente-coronel Luiz Cláudio Veloso, do Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa), faz parte da comissão que está em Campina Grande periciando o avião. Ele disse neste sábado (26) que não descarta nenhum tipo de erro. “Não descarto falha humana e nem falha técnica”, disse. A comissão vai investigar também as condições do aeródromo e meteorológicas.

Segundo o coronel Fernando Chaves, Chefe da Casa Militar, órgão responsável pela manutenção do avião pertencente ao Governo do Estado, o bimotor Sêneca não está em condição de uso, com avarias na hélice e no trem de pouso, e será removido da pista. Equipes do Corpo de Bombeiros permanecem no local por questões de segurança. Segundo os peritos, a aeronave ainda corre risco de vazamento e explosão.

Segundo o coronel, o piloto Nilton já tem mais de 3 mil horas de voo com o modelo de aeronave que se envolveu no acidente com o governador da Paraíba. A perícia está prevista para terminar neste sábado e aeronave deve ser retirada da pista, permanecendo no Aeroclube de Campina Grande ou sendo transportada com destino a João Pessoa.

G1PB
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário